Ir para o conteúdo

Ir para o conteúdo

Mato Grosso Saúde
Acompanhe-nos:
Facebook
Instagram
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
ABR
26
26 ABR 2019
MATO GROSSO SAÚDE
Mato Grosso Saúde orienta sobre riscos da hipertensão
No Dia Nacional de Combate à hipertensão, o Mato Grosso Saúde também realiza ação de atenção à hipertensão na Casa Civil, das 13 às 17h.

O Mato Grosso Saúde realizará uma ação orientativa nesta sexta-feira (26.04), Dia de Combate à Hipertensão Arterial, no saguão da Casa Civil. A ação será realizada das 13h às 17h, com objetivo de alertar os servidores públicos de Mato Grosso sobre o controle da pressão arterial. A hipertensão é uma doença silenciosa que afeta entre 20% e 35% da população adulta, equivalente a mais de um bilhão de pessoas no mundo.

O médico cardiologista credenciado ao Mato Grosso Saúde, Max Wagner de Lima, explica que não há uma idade onde os sintomas começam a aparecer. “O número de casos torna-se maior nas pessoas com idade a partir dos 60 anos, mas a partir dos 40 anos, dependendo do histórico familiar, o paciente já pode ser diagnosticado com hipertensão arterial”.

O aumento da pressão arterial está associada ao risco de outras doenças, inclusive o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

“A pressão alta aumenta em até duas vezes e meia a chance dos pacientes evoluírem do quadro de hipertensão para um infarto do coração; Acidente Vascular Cerebral (AVC), também conhecido como derrame; insuficiência cardíaca, que é o coração grande; insuficiência renal e, inclusive, distúrbios da visão”, explica o cardiologista.

Os hábitos que influenciam no aumento dos riscos de hipertensão são considerados modificáveis. “Entre os fatores relacionados ao aumento da pressão está, principalmente, o consumo de sal excessivo, o tabagismo, sedentarismo, consumo excessivo de álcool, sobrepeso e obesidade, somados à uma rotina com poucas práticas saudáveis”, alerta o médico.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o excesso de sal na dieta faz com que a pressão arterial seja elevada em 30%, além de ser uma substância associada ao câncer gástrico e problemas de cálculos renais e osteoporose. O consumo de sal recomendado pela OMS é abaixo de 5g/dia.

Já hereditariedade é um fator não modificável que também pode acarretar a hipertensão. “Pessoas com histórico familiar de familiares hipertensos, têm cerca de 30 a 40% de chances de desenvolverem a doença”, explica.

Por não apresentar muitos sintomas, o médico reforça a importância de, sempre que possível, realizar os aferimentos de pressão arterial. “Todos nós devemos medir a pressão, pelo menos, uma vez por ano; a cada oportunidade que tivermos de aferir a pressão arterial é válido para a realização, pois é assim que fazemos o diagnóstico de uma pessoa hipertensa”.

O médico informa que há algumas diferenciações técnicas quanto ao valor ideal de pressão arterial, mas que o importante é mantê-la sempre próximo a 12/8. “Já começamos a investigar quando a pressão arterial do paciente chega 14/9, pois já pode ser um pré-hipertenso”.

A hipertensão não tem cura, mas o paciente hipertenso pode levar uma vida normal, como a de um não hipertenso, caso a siga à risca todas as orientações médicas. “Temos três pilares do tratamento, que são o uso dos medicamentos de controle de pressão arterial, a atividade física regular e os bons hábitos alimentares. Somando essas três regras, o paciente terá quantidade e qualidade de vida”.

Por ser uma doença assintomática, o médico informa que o diagnóstico é feito por especialista na área que fará os acompanhamentos de pressão por meio de procedimentos tradicionais em consultório, ou através de métodos automáticos como o Monitoramento Ambulatorial de Pressão Arterial (Mapa), o Monitoramento Residencial de Pressão Arterial (MRPA). Mas o médico avaliará a melhor forma para chegar a esse diagnóstico de forma mais precisa.

Max Wagner de Lima é médico credenciado ao Mato Grosso Saúde, atendendo no Hospital Amecor e na Clínica Vida, Diagnóstico e Saúde. Além disso, é especialista em cardiologia pelo Instituto Dante Pazzanese; médico cardiologista de Team Ecardio no Hospital Amecor e na Clínica Vida, Saúde e Diagnóstico; médico associado de Liga de Cardiologia de UFMT; médico responsável pela residência médica de cardiologia do Hospital Amecor e coordenador de Unidade Coronariana do Hospital Amecor.

Fonte: Fernando Campos | Mato Grosso Saúde
Localização:
Av. das Flores, nº 941 - Jardim Cuiabá
CEP: 78043-172 - Cuiabá / MT
Atendimento de Segunda-feira a Sexta-feira das 08h às 17h.
Telefone para contato:
(65) 3613-7700      
Acompanhe-nos:
Facebook
Instagram
© Copyright Instar - 2006-2020. Todos os direitos reservados. Logo Instar
Seta
Copyright Instar - 2006-2020. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia